× Imagem em primeiro plano
top of page

Bora Empreender libera crédito para o primeiro contemplado

André Luiz Cruz vende bolachas e biscoitos artesanais em quiosques nas estações de BRT e recebeu R$ 5 mil da Agência de Empreendedorismo de Pernambuco (AGE)

Empreendedor (de camisa branca com listras) foi atendido na AGE, pela equipe de Operações e Negócios. Foto: AGE/Divulgação.

André Luiz Pessoa da Cruz é o primeiro empreendedor a receber o crédito pelo Bora Empreender, programa do Governo do Estado, executado pela Secretaria de Desenvolvimento Profissional e Empreendedorismo (SEDEPE) e suas vinculadas. A iniciativa é voltada à qualificação, formalização e financiamentos. O comerciante, morador do Ibura, tem 44 anos e ficou encantado com o programa, que acompanha e apoia o empreendedor em todas as etapas de sua jornada, desde a qualificação, orientando a como fazer um plano de negócios, como cuidar das finanças e turbinar as vendas, passando pela formalização da empresa, até a garantia de um crédito para iniciar o empreendimento.

Após ficar sabendo os detalhes sobre o funcionamento do Bora, André Cruz fez sua inscrição para um curso de qualificação, que realizou de forma online. Por já ser formalizado como Microempreendedor Individual (MEI), partiu direto para a terceira fase do programa e solicitou a linha de crédito junto à Agência de Empreendedorismo de Pernambuco (AGE), para usar o recurso em sua loja de biscoitos e bolachas artesanais, localizada nas estações integradas de BRT.

“Não conhecia o Bora Empreender e fiquei deslumbrado com a ideia, com a preocupação do governo em qualificar as pessoas e depois incentivar a formalizar e dar o crédito. Assim, elas poderão gerar mais empregos e renda”, ressaltou André Luiz, que recebeu o financiamento no valor de R$ 5 mil. O empreendedor e também ex-taxista realizou o curso “Desvendando o Crédito”, que o ajudou a ter uma visão diferente dos negócios.

Tanto é que, aproveitando a sazonalidade desta época de dezembro, com as festas de Natal e Ano Novo e o aquecimento do comércio, ele irá usar o dinheiro para investir em novas mercadorias, comprando produtos naturais, grãos como castanha e amendoim e mel de abelha. “A gente está se organizando para oferecer alguns queijos regionais também”, adianta.

André Luiz explica porque gostou do curso de qualificação. “No curso, tirei as minhas dúvidas sobre como utilizar melhor o dinheiro, como aplicá-lo para que ele possa ser uma bênção em nossas vidas e não se transformar em um problema”, detalha. O estímulo foi tanto que já começou a fazer uma segunda qualificação, desta vez sobre Planejamento financeiro. Na foto que ilustra essa matéria, André Luiz está acompanhado de seu avalista na operação de microcrédito, Micael Severo. Ele foi atendido pelo assistente de Negócios, Caio Silva e pelo superintendente de Pequenos Negócios, Alexsandro Andrade (ambos com a camisa do Bora Empreender).

TRAJETÓRIA - “No Pelópidas [Silveira], minha família trabalha comigo, minha esposa e meus filhos. Já no Tancredo [Neves], estamos com dois colaboradores”, conta, empolgado. Além de dois quiosques, que vêm crescendo bastante, pela boa aceitação dos produtos pelo público, André Luiz também já possui um terceiro ponto, com loja física no Terminal de Joana Bezerra.

“Acho legal eles terem um controle dos tipos de lojas e, a depender do local, não permitem a repetição dos itens vendidos. Com isso, a concorrência fica menor. É um local em que muitas pessoas passam e vendemos bem. Temos desde um pacotinho a partir de R$ 2,60, até quanto a pessoa quiser levar. É um negócio muito promissor”, acredita ele, que vende tanto a granel quanto pelo pacote fechado, por quilo.

Mas nem sempre os negócios andaram de vento em popa. O comerciante já foi dono de um lava-jato com uma lanchonete, mas o empreendimento não foi adiante, pois abriu em uma época de muitas chuvas. “Na vida, passamos por algumas situações, levamos umas cabeçadas e vamos aprendendo. Tem horas que a gente se aperta para bem lá na frente ter mais tranquilidade”, avalia o empreendedor. INSCRIÇÕES - Oferecer suporte aos empreendedores e impulsionar o desenvolvimento sustentável das empresas estão entre os objetivos do programa Bora Empreender. A iniciativa vem sendo executada por meio da Secretaria de Desenvolvimento Profissional e Empreendedorismo (SEDEPE), com a participação da Agência de Empreendedorismo de Pernambuco (AGE), da Junta Comercial do Estado de Pernambuco (JUCEPE) e do Sebrae/PE.

O Bora Empreender começa pela qualificação técnica e gerencial, passando pela regularização das empresas e, por fim, acesso ao microcrédito. Com o objetivo de ampliar o grau de formalização dos empreendedores, estão sendo ofertadas 186 mil vagas no curso de qualificação. Além disso, o empreendedor irá receber orientações sobre as vantagens de sair da informalidade para consolidar o negócio.

Para participar do Bora Empreender basta entrar no site da SEDEPE e clicar no banner do programa. Lá, estão as informações sobre as oficinas e inscrições. As capacitações foram projetadas para aprimorar os conhecimentos em gestão, negócios, criatividade e inovação.

A última etapa, da solicitação da linha de crédito, fica sob a responsabilidade da AGE. Mas a inscrição inicial deve ser feita no site da Secretaria de Desenvolvimento Profissional e Empreendedorismo (SEDEPE), à qual a AGE é vinculada. Serão ofertados R$ 300 milhões em microcrédito produtivo orientado, sendo de R$ 3 mil a R$ 5 mil para cada MEI. A expectativa é gerar 100 mil operações de crédito em todo o Estado

bottom of page